ligado: março 11, 2021

A nova etapa do Plano São Paulo começa a partir da segunda-feira (15/03) e valerá até o dia 30 deste mês. Com o anúncio de medidas mais restritivas, cerca de 14 atividades devem ser impactadas. Segundo a FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo), em um ano de pandemia, o varejo apresentou queda de 14,2% e pode ser ainda mais impactado pelas novas recomendações do governo estadual.

“É essencial que os estabelecimentos reforcem as medidas sanitárias para o combate da pandemia de Covid-19, mas os pequenos e médios empresários devem ter apoio por parte do governo estadual. Acreditamos que o fechamento total das lojas, sem apoio financeiro, não é a melhor solução”, alerta o presidente da FCDLESP, Maurício Stainoff.

Durante a fase emergencial, o comércio deve seguir as recomendações restritivas da fase vermelha. Os bares e restaurantes poderão oferecer drive-thru apenas das 5h às 20h. De acordo com a entidade, a instabilidade do Plano São Paulo e o fechamento total dos estabelecimentos contribui, significativamente, para a queda no percentual de vendas no estado.

“O período que o varejo paulista enfrenta é alarmante. Com o início da vacinação, esperávamos uma fase de fôlego para o setor, mas com o avanço da Covid-19 no país, a pausa do auxílio emergencial e alta de desemprego teremos um cenário desafiador. Ressalto que, pequenos e médios empresários buscam por segurança para produzir e comercializar, algo que não é oferecido pelo estado”, finaliza Stainoff.